Traduções e

versões juramentadas

Tradução (do espanhol para o português) e versão (do português para o espanhol) de documentos de todos os tipos, entre eles, certidões, antecedentes, diplomas, históricos escolares, procurações, contratos, balanços, sentenças etc.

A tradução pública (ou juramentada) é efetuada por um profissional especializado em tradução e interpretação, concursado/habilitado e autorizado a exercer essa função pelo órgão oficial competente do país. A função do tradutor público é traduzir documentos redigidos em idioma estrangeiro para que possam produzir seus efeitos legais, já que a língua oficial do país é o idioma obrigatório para todas as relações entre o Estado e seus cidadãos.

 

Este profissional, considerado auxiliar da Justiça, garante a fidelidade e integridade de suas traduções e dá segurança jurídica aos atos. Toda tradução assinada por tradutor público tem o caráter de documento público, goza de fé pública e será aceita como prova idônea por todas as autoridades oficiais.

No Brasil, as juntas comerciais dos respectivos estados são responsáveis pelo concurso, nomeação e fiscalização dos tradutores públicos e, na Espanha, o Ministerio de Asuntos Exteriores, Unión Europea y Cooperación.

 

Para surtir efeitos no Brasil, pela lei, os documentos em língua estrangeira devem ser traduzidos por tradutores públicos concursados no território brasileiro. A Espanha também não aceita a tradução de tradutores que não estejam concursados/habilitados no seu país.

A tradutora Pilar Sacristán, por ter prestado e aprovado concurso público nos dois países, está habilitada tanto na Espanha como no Brasil e suas traduções têm plena validade nesses países e naquele que não fazem restrições.

Traduções e versões livres

Interpretação

Revisão

Queda Prohibido

Queda prohibido llorar sin aprender,
levantarte un día sin saber qué hacer,
tener miedo a tus recuerdos…
Queda prohibido no sonreír a los problemas,
no luchar por lo que quieres,
abandonarlo todo por miedo,
no convertir en realidad tus suenõs…
Queda prohibido no intentar comprender a las personas,
pensar que sus vidas valen menos que la tuya,
no saber que cada uno tiene su camino y su dicha…
Queda prohibido no crear tu historia,
no tener un momento para la gente que te necesita,
no comprender que lo que la vida te da,
también te lo quita…
Queda prohibido, no buscar tu felicidad
no vivir tu vida con una actitud positiva,
no pensar en que podemos ser mejores,
no sentir que sin ti, este mundo no sería igual…
Cartaz da Feria del Libro (Madri 2009). Adaptação do poema de Alfredo Cuervo Barrero, equivocadamente atribuído a Pablo Neruda.